Plano de ação para reducir o uso nocivo do álcool é aprovado


O 51o. Conselho Diretor da OPAS aprovou hoje à tarde um novo Plano de Ação para Reduzir o Uso Nocivo do Álcool que busca diminuir os níveis de consumo per-capita de álcool e reduzir os danos associados ao consumo de bebidas alcoólicas. O Plano propõe medidas que vão desde o aumento de impostos sobre a venda de álcool e restrições ao marketing desses produtos, até a capacitação dos trabalhadores na atenção primária de saúde na identificação e tratamento dos bebedores em risco.

Segundo dados da OMS, o consumo de álcool foi o principal fator de risco para a carga de doença nas Américas em 2004, quando foi responsável por mais de 347 mil mortes.


O padrão de consumo mais comum neste hemisfério é o padrão mais arriscado: episódios isolados de grande consumo, principalmente por homens. Isso leva a problemas agudos e crônicos de saúde que incluem ferimentos, problemas de saúde mental, câncer, doença cardíaca, hipertensão e diabetes. Também afeta negativamente a outras pessoas, como as vítimas de acidentes causados por motoristas embriagados e de violência relacionada com o álcool.

O plano faz um chamamento aos países – com o apoio técnico da OPAS/OMS – para realizar ações entre as quais estão:

  • Fixar limites legais para o nível de álcool no sangue de motoristas e assegurar consequências rápidas e efetivas para os que forem detidos com altos níveis de álcool.
  • Usar a regulamentação de impostos e preços para diminuir o uso nocivo do álcool através, por exemplo, de impostos baseados no conteúdo alcoólico ou impostos especiais sobre as bebidas dirigidas aos jovens.
  • Reduzir a disponibilidade do álcool através de restrições na idade, tipos de pontos de venda e horários de compra e venda de bebidas alcoólicas
  • Proibir a venda de álcool a pessoas intoxicadas e promover a responsabilidade penal dos proprietários de bares pela violência e lesões resultantes de embriaguez que ocorra em suas instalações.
  • Limitar o marketing de bebidas alcoólicas, especialmente aquele dirigido aos jovens e aos grupos vulneráveis. Monitorar o cumprimiento pela indústria dos códigos voluntários de conduta.
  • Capacitar aos provedores de serviços de saúde para detectar, prevenir, tratar e reabilitar a homens e mulheres – incluindo a mulheres grávidas – com problemas de consumo nocivo de álcool, na atenção primária de saúde e sistema de saúde como um todo.
  • Promover a investigação dos efeitos sobre a saúde e a sociedade do consumo nocivo del álcool de homens e mulheres, grupos étnicos, bem como dos efeitos sobre o capital humano e o desenvolvimento sustentável.
  • Envolver a outros setores, incluindo educação, trabalho, transporte, os responsáveis pelo sistema de justiça e aplicação da lei para aumentar o nível de consciência sobre o consumo nocivo de álcool.
 
As respostas estão fechadas, mas você pode trackback de seu próprio site.