Aprovada estratégia para criar programas nacionais de cuidado da epilepsia


Os países das Américas trabalharão, com o apoio da Organização Pan-americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), na criação de programas nacionais para cuidar da epilepsia, uma desordem neurológica que afeta a aproximadamente 50 milhões de pessoas no mundo, 5 milhões das quais vivem nas Américas.

As delegações dos Estados Membros da OPAS aprovaram hoje uma estratégia e um plano de ação sobre a epilepsia, durante a reunião do 51o. Conselho Diretor da Organização.

O objetivo da estratégia é dispor de programas nacionais de cuidado da epilepsia, que atualmente existem em 10 países da Região. A meta é duplicar o número de programas para 2015 e triplicá-lo até 2020.

A partir desta resolução, o Conselho Diretor considerará essa doença como uma prioridade e apoiará o fortalecimento da resposta do setor da saúde a esse problema, com ênfase especial na atenção primária de saúde.

A estratégia buscará além disso reduzir as brechas na atenção desse problema de saúde pública. Na América Latina e no Caribe, mais de 50% das pessoas com epilepsia não têm acesso aos serviços de saúde.

 
As respostas estão fechadas, mas você pode trackback de seu próprio site.